Priya, a primeira heroína anti-patriarcado da Índia

A Índia é considerado o pior país para se ser mulher. São comuns as notícias de violações, tráfico de mulheres, casamentos infantis, escravatura, ataques com ácido,etc. . Em 2012 um estupro coletivo em Nova Deli trouxe o problema do assédio nos transportes e na rua e das violações em massa para a opinião publica internacional. Na sequência disso surgiu uma nova heroína na banda desenhada, que é feminista e combate a violência sexual contra meninas. Cavalga um grande tigre de Bengala e é ela própria uma sobrevivente.

Priya, que fez da sua dor uma arma, começa como uma jovem camponesa indiana simples.  Esta heroína já deu origem a três novelas de BD cuja narrativas traduzem o combate os demónios do estupro, do ataque com ácido e do tráfico sexual. Porém, Priya é diferente de muitos outros: ela não apenas derrota os agressores como reconhece o sistema sociocultural que originou o patriarcado.